top of page
  • Foto do escritorghackmann

RAMO DE CAFÉ

Minha avó não sabia escrever, mas sabia desenhar um ramo de café.


Quantas vezes eu, muito pequeno, ela se sentava na cadeira, eu ficava ao seu lado e ela começava a desenhar um ramo de café no papel de pão. Eu acompanhava aqueles traços que germinavam muito rápido sobre a mesa, deles saíam brotos e até frutos.


Ela dizia que era café. Eu não entendia muito bem porque o café é preto e ela dizia que era para colorir o desenho em verde e vermelho. Enquanto eu pintava, ela ia fazer café.


Algumas vezes tentei ensiná-la a escrever o seu nome. O alfabeto não entrava na cachola, as sílabas não se juntavam, o nome não escrevia.


Daí tive a ideia: “Vó, desenha um ramo de café pra mim? Pra eu copiar porque não sei fazer”

Ela desenhou o ramo florido, as frutinhas e encheu a folha com os segredos do melhor café do mundo.


Depois, eu escrevi seu nome no papel. Disse que era o seu nome. E que ela podia copiar. Fazer igual.


Então, com muito jeito e muito sabor quentinho de café, ela desenhou o nome mais bonito que podia florescer:


MARIA, o nome da minha avó querida.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

DOCE e ABACAXI

Minha tia Zula me salvou algumas vezes na vida. Na escola, principalmente. Eu era o nerd da classe, o que só tirava dez. Aquela situação chegava a ser constrangedora. Então, uma vez, os professores pr

Caminho dos Ovos

Quando eu procuro a minha mais antiga lembrança, o que eu encontro no fundo da memória é minha mãe pedindo para eu buscar os ovos no galinheiro. No fundo de casa ainda não existia o salão que meu pai

FIAT OGGI

Uma vez, um morador do bairro anunciou a venda de seu Fiat Oggi. Era um modelo CSS, esportivo, rebaixado, preto e com adesivos vermelho Ferrari. O interior era em vermelho e muito elegante aos moldes

Comments


bottom of page