top of page
  • Foto do escritorghackmann

RELAÇÕES DE PODER EM UMA FOTO

É comum encontrarmos fotos — dos tempos de Carioba —nas quais os patrões, sejam os Müller ou os Abdalla, estão dançando com moças nos famosos bailes ou presentes nos churrascos e almoços de confraternização com os operários da fábrica. Sempre o patriarca, o patrão, o provedor em primeiro plano, em destaque, ao centro da foto. E os operários e moradores aglomerados, em volta, felizes e satisfeitos. Pela atenção recebida, pela presença ilustre, pela grandeza do patrão em se misturar com os empregados em suas festas.

Na primeira fase da Fábrica de Tecidos Carioba, na era Müller, a construção da vila e a exaltação de seus costumes era para os moradores motivo de orgulho, regozijo e algo próximo à simples felicidade e comunhão entre famílias, sempre agradecidas pelo emprego, pela moradia e pela vida comunitária. Para os proprietários da fábrica — dos teares às moradias tudo era o capital da empresa — a vida comunitária naqueles padrões era um escudo protetor à contaminação e a influências dos movimentos sindicais, políticos e históricos da época. Na era Abdalla, quando havia muita motivação política nas ações dos proprietários, o envolvimento e a proximidade dos patrões revelavam um populismo que se enraizava e dele tiravam seus votos e dividendos.

Quando as crises da indústria têxtil — de produção, de mercado, de competitividade e de financiamento — atingem a fábrica e seus negócios, o patrão se distancia dos comitês de reivindicação, das greves dos operários, das confraternizações e de todas as raízes culturais erguidas ao longo de décadas. Toda a nostalgia vivida não é suficiente para impedir que os proprietários dos meios de produção, os detentores de maior força naquela relação de poder entre capital e trabalho, optem por proteger seus bens, não encontrando soluções razoáveis para a fixação dos moradores no local que, mais que uma vila operária, se transformara em uma vila histórica, com laços sentimentais entre famílias e toda uma comunidade.

Portanto, hoje, quando observamos uma dessas fotos, conhecendo o final da história de Carioba, mais do que uma imagem registrando uma relação de amizade e interação entre patrões e empregados, o que podemos ver revelado naqueles instantes perpetuados para as gerações futuras é nada mais que uma demonstração das relações de poder de uma época. Relações de poder que se davam tanto pelo relacionamento quanto pelo abandono.

NOTA: Fotos obtidas no blog Carioba: O espírito do lugar. www.oespiritodolugar.blogspot.com/p/bairro-carioba.html.

Foto 1 – Hermann Müller juntamente com os operários da Fábrica de Tecidos Carioba.

Foto 2–1955 – Baile das Princesas – Ao centro o sr. Nicolau Abdalla.

Gilberto Hackmann

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

VÓ, o LULA GANHOU

17 de dezembro de 1989 - 2o turno de eleições presidenciais. Já era por volta das dez horas da noite, quando eu e minha namorada pudemos entrar no quarto do hospital onde minha avó, Maria, iria passar

O JOGO DA VIDA

Nestes dias de apreensão pela recuperação de meu pai, com o desfecho de sua partida para os braços de Deus, estive pensando que na vida há momentos em que temos o controle das ações e há momentos em q

コメント


bottom of page