top of page
  • Foto do escritorghackmann

ACASO

Oh, Ternura dos acasos!

Como podes tramar assim?

Pouco caso fazes de mim e

De teu trono explodes em risos.

Mas, mendigava eu tão menos

E deste-me duas sílabas!

Duas gotas de veneno

Que, se não matam, ficam nas

Mentes, no peito, na garganta

E elas são tantas

Que me bastam e

São todo meu sustento.

Querendo, leva-me ao teu trono

Já realizei todo meu intento.

Mas, bem que um teu abandono

Seria para mim a busca de mais

De tudo que não ouvi,

De frases que não colhi,

E que, ó acaso, preciso demais.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

OUTONO

Anseio pelo eterno momento Em que você possa se trair E no seu terno falar e sorrir Ceder aos meus sinceros atrevimentos. Como este dia se adia! E fico voando numa dúvida doce E nem sei como faria se

SONETO DA PLENITUDE

Se te discernia entre tantas Quantas moças apreciasse, Colocando-me em impasses assaltantes, Era antes um livrar-me de disfarces. Se a razão a ti se apegava E ficava revirado meu inconsciente, Em cres

SONETO DA DECEPÇÃO

Tu não existes, que pena. Centenas de pensamentos Ardendo e me deixando triste Fiz-te em um grande lamento. Tão pura aquela tua vida, Colorida de sonhos e encantos. Mas, no entanto, te vi vestida E co

Comments


bottom of page