top of page
  • Foto do escritorghackmann

FIAT OGGI

Uma vez, um morador do bairro anunciou a venda de seu Fiat Oggi. Era um modelo CSS, esportivo, rebaixado, preto e com adesivos vermelho Ferrari. O interior era em vermelho e muito elegante aos moldes italianos.

Fiquei admirando aquele carrinho e imaginando que, com um carro incrementado daquele, eu conseguiria uma namorada.

Meu carro era um fusquinha amarelo bem detonado e não ajudava muito em conquistar uma garota.

O rapaz ofereceu diversas vezes o carro e eu sempre dizia que não tinha dinheiro. Até que eu fiz as contas e calculei que se eu vendesse o fusca, a moto TT e as minhas férias no trabalho, eu conseguiria pagar o Fiat Oggi.

Daí, o rapaz sugeriu que eu desse uma volta no carro antes de fecharmos o negócio. Entrei naquela máquina, fiquei deslumbrado com os instrumentos no painel e as luzes vermelhas por todo canto. Era noite e tudo ajudava a ficar mais chamativo.

Dei a partida e nas primeiras trocas de marcha me pus a lutar bravamente contra aquele câmbio duro e de difícil engate. Eu, que havia aprendido a dirigir no Fiat 147 do meu pai, naquele instante, não consegui imaginar nenhuma garota bonita ao meu lado cantando alguma canção junto com o toca-fitas.

Só consegui ouvir as lembranças do apuro e sufoco que foram aquelas vezes em que eu apanhava daquele câmbio do Fiat 147 e passava muita vergonha com o meu pai.

Eu que me gabava de pilotar o carrinho do bate-bate, quando aparecia um parque na cidade, sem bater em ninguém e sem deixar que ninguém me batesse, não imaginava que seria tão difícil dirigir um carro de verdade.

Quando consegui dar a volta no quarteirão, o moço aguardava com expectativa. Eu desci do carrinho, entreguei as chaves e simplesmente disse que não tinha gostado do carro. O rapaz ficou muito decepcionado, pegou o carro e saiu. Eu ainda fiquei acompanhando aquele reluzente Fiat Oggi preto até perder de vista.

Eu teria que encontrar um jeito melhor de arranjar uma namorada.



15 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

DOCE e ABACAXI

Minha tia Zula me salvou algumas vezes na vida. Na escola, principalmente. Eu era o nerd da classe, o que só tirava dez. Aquela situação chegava a ser constrangedora. Então, uma vez, os professores pr

Caminho dos Ovos

Quando eu procuro a minha mais antiga lembrança, o que eu encontro no fundo da memória é minha mãe pedindo para eu buscar os ovos no galinheiro. No fundo de casa ainda não existia o salão que meu pai

Xícara de café

A minha irmã conta que a senhora tinha uma xícara especial para cada visita. Só então eu percebi que a minha xícara também sempre era a mesma. Nas noites em que eu ia visitá-la, encontrava a pequena m

1 Comment


Unknown member
Jun 01, 2023

Gilberto, adorei a crônica sobre o Fiat Oggi: leve e divertida. Parabéns!

Like
bottom of page